Medos, Inseguranças e Fantasias na Gravidez - É normal?

09/04/2018


A gravidez é um dos momentos mais profundos na vida de uma mulher e não é à toa que a expectativa de ter um bebê vem acompanhado de vários sentimentos: alegria, ansiedade, medo e inseguranças.

Algumas perguntas rondam os pensamentos das mulheres grávidas, como:

  • Como cuidar de um bebê tão pequenino?
  • Quando o bebê chorar, como saber qual tipo de choro diz o que ele precisa?
  • Como dar conta do bebê, da casa, do marido, de outro filho?

A fase da gestação é um período de crise para a mulher, que é filha, esposa e irá tornar-se mãe. Não é uma fase só "linda e maravilhosa", por ser vivenciada com muitos conflitos psíquicos e sociais que os mais próximos vivem também.

Dando um olhar psicanalítico ao momento, os valores são revistos inclusive revisitando as experiências vivenciadas na infância com seus próprios pais ou figuras parentais. Por isso, o momento é totalmente único para cada mãe e cada pai.

As fantasias fazem com que o bebê seja imaginado pela mãe, como o bebê perfeito, sendo o produto do desejo da maternidade, essas fantasias se fortalecem do quarto ao sétimo mês de gestação. Depois deste período, diminuem as fantasias, para que a mãe se prepare para o parto.

O bebê imaginado X o bebê real acontece principalmente quando inicia-se os movimentos do feto e também a ultra sonografia. Através da escolha do nome do bebê, de sua roupinha, quartinho fazem com que os pais se enamorem do bebê, criando o primeiro vínculo com ele. Quando o bebê nascer ele trará as suas necessidades no relacionamento com a mamãe, e em contra partida a mamãe possibilita a vida a outro ser humano, permitindo o seu crescimento. Portanto, aos poucos a mamãe possibilita que o bebê imaginado se torne real, com sua própria necessidade, personalidade e individualidade.

É um momento totalmente novo, principalmente se for a primeira gravidez. Agora sabemos que a fantasia, insegurança e medos fazem parte normal do desenvolvimento da gravidez e da preparação para tornar-se mamãe.

Mas, se este período estiver sendo vivenciado de forma tensa e que os medos, fantasias e inseguranças estão tomando conta de você de forma intensa, não hesite em procurar ajuda de um psicólogo para ajudar a resolver esses conflitos e proporcionar bem estar e qualidade de vida.


Priscila dos Santos Mendes Hirano

Mãe, Psicóloga Clínica e Escolar (crianças, adolescentes e adultos), Palestrante e Orientadora Vocacional e de Carreira. Formada pela UNIP, MBA em Gestão de Pessoas. Extensão em Psicanálise pelo Instituto Crescendo.